Fale Conosco
logomarca cnpq
 
busca no site mapa do site
<a href="../cnpq/mapa.htm" class="menu_topo">mapa do site</a>
 
Grupos de Pesquisa
 
 
 
   
 

 

 

Apresentação

 

O que é o Diretório dos Grupos de Pesquisa?

Para que serve?

Como é feita a coleta dos dados?

Como ter acesso aos dados coletados?

Como participar?

Histórico


O que é o Diretório dos Grupos de Pesquisa?

O Diretório dos Grupos de Pesquisa no Brasil, projeto desenvolvido no CNPq desde 1992, constitui-se em bases de dados que contêm informações sobre os grupos de pesquisa em atividade no País. O Diretório mantém uma Base corrente, cujas informações são atualizadas continuamente pelos líderes de grupos, pesquisadores, estudantes e dirigentes de pesquisa das instituições participantes, e o CNPq realiza Censos bi-anuais, que são fotografias dessa base corrente.

As informações contidas nessas bases dizem respeito aos recursos humanos constituintes dos grupos (pesquisadores, estudantes e técnicos), às linhas de pesquisa em andamento, às especialidades do conhecimento, aos setores de aplicação envolvidos, à produção científica e tecnológica e aos padrões de interação com o setor produtivo. Além disso, cada grupo é situado no espaço (região, UF e instituição) e no tempo.

Os grupos de pesquisa inventariados estão localizados em universidades, instituições isoladas de ensino superior, institutos de pesquisa científica, institutos tecnológicos e laboratórios de pesquisa e desenvolvimento de empresas estatais ou ex-estatais. Os levantamentos não incluem os grupos localizados nas empresas do setor produtivo.

Para que serve?

O Diretório dos Grupos de Pesquisa possui três finalidades principais:

- No que se refere à sua utilização pela comunidade científica e tecnológica no dia-a-dia do exercício profissional, é um eficiente instrumento para o intercâmbio e a troca de informações. Com precisão e rapidez, é capaz de responder quem é quem, onde se encontra, o que está fazendo e o que produziu recentemente.

- Seja no nível das instituições, seja no das sociedades científicas ou, ainda, no das várias instâncias de organização político-administrativa do país, a base de dados do Diretório é uma fonte inesgotável de informação. Além daquelas informações diretamente disponíveis sobre os grupos, seu caráter censitário convida ao aprofundamento do conhecimento por meio das inúmeras possibilidades de estudos de tipo survey. A construção de amostras permitirá o alcance de respostas sobre campos não cobertos pelos dados, como, por exemplo, o financiamento, a avaliação qualitativa da produção científica e tecnológica, bem como o padrão fino das interações entre grupos de pesquisa e o setor produtivo. Desta forma, é uma poderosa ferramenta para o planejamento e a gestão das atividades de ciência e tecnologia.

- Finalmente, as bases de dados, na medida em que é recorrente (realização de censos), têm cada vez mais um importante papel na preservação da memória da atividade científico-tecnológica no Brasil.

Como é feita a coleta de dados?

A unidade de análise que constitui a base de dados do Diretório é o grupo e pesquisa. Cada grupo deve organizar-se em torno de uma liderança (eventualmente duas) e estar “abrigado” em uma instituição, previamente autorizada pelo CNPq, pois a relação do Diretório com o Grupo é institucional.

Todo o procedimento de captura de dados dos grupos, que envolve o dirigente institucional de pesquisa (pró-reitores, superintendentes, diretores ou vice-presidentes de pesquisa), o líder de grupo, o pesquisador e o estudante é feito a partir do site de Coleta de dados do Diretório, onde cada um desses participantes possui uma página individual e personalizada, acessível por meio da senha.

Cabe aos dirigentes institucionais de pesquisa das instituições participantes o cadastramento dos líderes de grupos e a certificação dos mesmos na base de dados. As informações sobre os grupos (recursos humanos, linhas de pesquisa, especialidades do conhecimento, setores de atividade envolvidos, tipo de relacionamento do grupo com empresas, etc) são fornecidas pelos respectivos líderes ao CNPq, por meio de um questionário eletrônico padronizado, disponível na página de Líderes de grupo. Cada dirigente de pesquisa tem acesso aos dados da respectiva instituição através da página de Dirigentes, podendo então analisá-los e proceder a certificação dos grupos na base de dados. Somente são considerados grupos válidos os grupos certificados pelo Dirigente de Pesquisa da instituição a que pertencem.

Os pesquisadores e estudantes podem se auto-excluir de um grupo onde foram cadastrados indevidamente, também a partir de suas páginas específicas no site de Coleta de dados.

Alguns dados pessoais (formação acadêmica, nível de treinamento, sexo) e aqueles relativos à produção científica, tecnológica e artística dos participantes dos grupos são compromissos de cada pesquisador e estudante, que os informam em seus currículos Lattes.

Informações mais detalhadas podem ser obtidas em Informações gerais e Perguntas freqüentes.

Como ter acesso aos dados coletados?

O Diretório possui sites de consultas para os censos realizados a partir de 2000 e para a base corrente, ambos disponíveis no menu deste portal.

Base Corrente - Permite a busca de informações sobre os grupos de pesquisa, líderes, pesquisadores e estudantes presentes na base corrente (atual) do Diretório. Só podem ser recuperados nessa base os grupos que foram certificados pelas instituições participantes. Essa base é atualizada diariamente, refletindo as atualizações de dados e inclusões de novos grupos feitas pelos líderes, bem como o trabalho de certificação feito pelos dirigentes institucionais no site de Coleta de dados.

Censos – As bases censitárias, extraídas periodicamente da base corrente, tem seus conteúdos estáticos, isto é, são “fotografias”, tiradas bi-anualmente, que retratam o estado da pesquisa no Brasil. Essas datas são previamente anunciadas pelo CNPq para que os participantes dos grupos atualizem seus dados na Plataforma Lattes. Os resultados desses inventários estão organizados em módulos que permitem visualizar quantitativamente o perfil da pesquisa no Brasil (Súmula estatística e Plano tabular) e módulo de informações textuais (Busca Textual), que permite recuperar informações sobre qualquer dado presente na base (grupos, seus pesquisadores, estudantes e pessoal de apoio técnico, suas linhas de pesquisa, produção C&T, entre outras). Além disso, desde o censo de 2000, apresenta um item sobre a Estratificação dos grupos, que classifica os grupos pertencentes às instituições de ensino superior e a institutos de pesquisa que possuem programas de pós-graduação em estratos de qualidade.

Como participar?

Para participar do Diretório dos Grupos de Pesquisa, é necessário observar as seguintes etapas:

I - Ingresso de novas instituições no Diretório dos Grupos de Pesquisa - DGP
Para se cadastrar um grupo de pesquisa, é preciso que a instituição que o abriga seja previamente autorizada pelo CNPq. Pelas regras vigentes desde janeiro de 2005, somente podem participar do DGP as instituições que se enquadram nas seguintes categorias:

  • universidades federais, estaduais, municipais e privadas;
  • instituições de educação superior - IES não universitárias (centros universitários, faculdades integradas, faculdades isoladas, institutos, escolas, centros de educação tecnológica, etc) que possuam pelo menos um curso de pós-graduação - mestrado ou doutorado - reconhecido pela CAPES/MEC;
  • institutos públicos de pesquisa científica;
  • institutos tecnológicos públicos e centros federais de educação tecnológica;
  • laboratórios de pesquisa e desenvolvimento de empresas estatais.

As instituições enquadradas nessas categorias, que ainda não participam do DGP, podem solicitar sua inclusão a qualquer momento, bastando que seja enviado pedido de ingresso pela autoridade institucional de pesquisa ou superior, por meio do Fale Conosco do site do CNPq, selecionando o assunto Plataforma Lattes, Diretório dos Grupos de Pesquisa, contendo as seguintes informações:

  • Nome completo, sigla e CNPJ da instituição;
  • Categoria de instituição em que se enquadra (no caso de IES não universitárias, informar o curso de pós-graduação).
  • Nome completo, CPF, nacionalidade, país e data de nascimento e cargo da pessoa que será responsável pelo DGP na instituição, denominada neste Diretório por Dirigente institucional de pesquisa - normalmente, é o responsável pela área de pesquisa da instituição, como pró-reitor(a) de pesquisa, coordenador(a) ou diretor(a) de pesquisa;
  • Telefone e e-mail do Dirigente institucional de pesquisa.

Condições prévias

  • No momento do pleito, a instituição deverá estar previamente cadastrada no Diretório de Instituições do CNPq (ver item II a seguir);
  • Todos os participantes de grupos de pesquisa (pesquisadores e estudantes) devem ter seus currículos Lattes cadastrados e atualizados no CNPq.

II - Cadastro de novas instituições no Diretório de Instituições – DI
A instituição pleiteante ao ingresso no DGP que ainda não tem seu cadastro no DI do CNPq deve, primeiramente, providenciar tal cadastro, que pode ser feito pelo próprio usuário através do Cadastro de Informações Institucionais (CADI), acessando a página da Plataforma Lattes/Diretório de Instituições no site do CNPq. Em caso de dificuldades, utilize o Fale Conosco do CNPq, escolhendo o assunto Plataforma Lattes/ Diretório de instituições.

Importante: O DI é a base de dados cadastrais de toda e qualquer instituição que estabelece algum tipo de relacionamento com o CNPq (por exemplo: instituições já participantes dos programas de bolsas e fomento do CNPq; participantes do DGP; instituições usuárias de serviços prestados pela Agência, como o credenciamento para importação pela Lei 8.010/90; e, finalmente, instituições que pleiteiam participar desses programas e serviços.

Assim, o cadastro no DI é condição prévia para uma instituição ser usuária dos programas e serviços do CNPq. No entanto, estar cadastrada no DI não significa que a instituição, automaticamente, poderá participar do DGP - Diretório dos Grupos de Pesquisa. Este possui regras próprias para inclusão de novas instituições (contidas no item I acima) e as permissões de acesso a esses dois sistemas são diferenciadas e específicas a cada um deles.

III – Cadastro de Grupos no DGP
Cumpridas as etapas I e II, e sendo autorizada pelo CNPq (de acordo com as regras estabelecidas), este providenciará a inclusão da instituição e enviará ao Dirigente de pesquisa, por e-mail, uma senha de acesso ao site de Dirigentes, onde o mesmo poderá cadastrar os líderes e certificar os grupos da sua instituição.

Os Líderes, depois de cadastrados pelos Dirigentes, passam a ter acesso ao site de Líderes de grupo, onde está disponível o formulário on line, cujo preenchimento e envio é de sua responsabilidade. A senha de acesso do líder é a senha Lattes (caso não a possua ou a tenha esquecido, acesse o link "Sua senha”, na página principal do site do CNPq).

Desta forma, se um líder de grupo de uma instituição participante ainda não está cadastrado como tal, ou se a sua instituição ainda não participa do Diretório, o primeiro passo é procurar o componente organizacional de pesquisa da instituição (em geral pró-reitoria, coordenação ou diretoria de pesquisa), pois todos os procedimentos de captura dos dados é feito em articulação com este setor.